Antes da origem do universo

Os criadores determinaram 10 leis

nasce a ordem...

na criação da harmonia, determinaram 7 condenações

nasce a caos...

A PRIMEIRA ESTRELA DO UNIVERSO, SURGIU A PARTIR DO PRINCIPIO DOS CRIADORES.

O CÓLERA, A MAIOR ESTRELA DO UNIVERSO.

O CÓLERA NÃO POSSUI UMA FORMA MATERIAL, ELE É A PURA LUZ, ELE REPRESENTA O CORAÇÃO DO UNIVERSO.

E DENTRO DO CÓLERA NASCEU A VIDA, OS PRIMEIROS SERES VIVOS DO UNIVERSO. 

ANJOS E DEMÔNIOS.

REPRESENTANTES DO EQUILÍBRIO, FILHOS LEGÍTIMOS DOS CRIADORES, HOJE, CONHECIDOS COMO DEUSES UNIVERSAIS.

"Como o ferro é moldado pelo fogo na bigorna,

assim também, no fogo do sofrimento

e sob o peso das provações,

minha alma adquiriu o formato desejado pelos Deuses..."

Kipamu

Situado em um tempo “Entre o Alvorecer das Fadas e o Domínio dos Homens”, o livro segue a busca do hobbit caseiro Bilbo Bolseiro para conquistar uma parte do tesouro guardado pelo dragão Smaug. A jornada de Bilbo o leva de um ambiente rural alegre a um território mais sinistro. A história é contada na forma de uma busca episódica, e a maioria dos capítulos apresenta uma criatura específica, ou um tipo de criatura, das “Terras Ermas” de Tolkien. Ao aceitar o lado desonroso, romântico, feérico e aventureiro de sua natureza e aplicar sua inteligência e senso comum, Bilbo ganha um novo nível de competência, maturidade e sabedoria. A história atinge o seu clímax na Batalha dos Cinco Exércitos, onde muitos dos personagens e criaturas dos capítulos anteriores reemergem para se envolver no conflito.

O crescimento pessoal e as diferentes formas de heroísmo são os temas centrais da história. Juntamente das causas que levam a uma guerra, esses temas levaram os críticos a citar as próprias experiências pessoais de Tolkien durante a Primeira Guerra Mundial como instrumentos na formação da história. O conhecimento acadêmico do autor sobre literatura anglo-saxônica e seu interesse em contos de fadas também são indicados como influências.

Encorajada pelo sucesso crítico e financeiro do livro, a editora pediu uma continuação. Como o trabalho de Tolkien em seu sucessor O Senhor dos Anéis estava evoluindo, o escritor fez algumas acomodações retrospectivas para ele em O Hobbit. Essas poucas porém significativas mudanças foram integradas à segunda edição. Seguiram-se outras edições com alterações menores, incluindo aquelas que refletem um conceito variável de Tolkien do mundo de Bilbo. A obra nunca esteve fora de catálogo, e seu legado permanente abrange muitas adaptações para teatro, cinema, rádio, jogos de tabuleiro e video games. Várias dessas adaptações têm recebido reconhecimento da crítica por seus próprios méritos.